Slide01

Diagramação

É considerado um processo técnico, onde todas as ideias que foram discutidas e rascunhadas na preparação e no projeto gráfico com começar a ser desenhadas definitivamente para se tornar um arquivo de impressão ou digital (eBook). Com a ferramenta correta, o miolo do livro e a capa vão ganhar as dimensões necessárias para se tornar um produto. O programa de computador mais comum para se utilizar neste processo é o Adobe InDesign. Mas não é raro encontrar livros diagramados no próprio editor de textos. O que torna o trabalho um pouco mais limitado, mas não impossível de se fazer. Na diagramação definimos as margens laterais, direita e esquerda, o posicionamento dos títulos, capítulos e subcapítulos. Esses distancias e espaçamentos são diferentes dependendo do projeto editorial ou padrões propostos pela editora.

revisao-ed

Revisão do texto e normatização

Como o nosso foco é o produto jornalístico, além da revisão ortográfica, usar um manual de estilo e redação pode ajudar para que o texto tenha coesão. É muito comum, principalmente quando se escreve com mais de uma pessoa, encontrar siglas, itálicos, negritos e outras marcações de forma diferente nos capítulos do livro-reportagem antes da publicação. Se definirmos que as siglas virão com seu nome por extenso em seguida ou o contrário, ex.: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ou Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um nome de um livro entre aspas ou em itálico: “Elementos do livro-reportagem” ou Elementos do livro-reportagem. Um problema que também é bem comum nos textos que trabalham com diálogos de entrevistados é o uso do hífen ao invés do travessão para Leia mais…

capa

Design de capas

Resolvemos colocar este item separado, pois a capa tem que ser pensada como uma das partes mais importantes do livro-reportagem, ela pode conquistar o leitor pela beleza ou somente pelas informações de apresentação dispostas. Além disso, ela pode se dividir em capa, quarta capa (contracapa), lombada, orelhas e o verso, que pode ser utilizado para colocar imagens ou informações adicionais. Muitos projetos gráficos deixam essa parte do livro sem utilização, em branco, o que é de se estranhar, pois normalmente ela não tem um custo adicional e quando tem não é caro.

ficha-catalografica-ed

Ficha catalográfica

Não é nossa intenção ensinar como se faz uma ficha catalográfica, trabalho que normalmente é feito por quem estuda ou é profissional (bibliotecário) em biblioteconomia, mas é importante saber que existem itens da ficha que são comuns a todos os livros e utilizados em citações bibliográficas. Importante para a catalogação dos livros em bibliotecas, sem ela, não seria possível organizar e localizar uma publicação de forma precisa no momento em que o leitor precisa tem uma obra em mão.

isbn-ed

ISBN

Em linhas gerais, o ISBN (International Standard Book Number) é o número de registro internacional de uma publicação, impressa ou digital. Serve para que livrarias e leitores identifiquem todos os dados de registro de um livro. A sistematização começou em 1967 na Inglaterra e demonstrou ser uma forma eficiente de cadastro e organização de livros. No Brasil é gerenciado pela Agência Brasileira de ISBN (http://www.isbn.bn.br/website/), vinculada à Fundação Biblioteca Nacional, do Rio de Janeiro. Para se conseguir o número é necessário fazer um cadastro no site e ter um livro escrito para submissão e pagar as taxas. Não é obrigatório, mas sem esse registro o livro não pode ser referenciado em projetos acadêmicos ou catalogado internacionalmente.